Terapia de Casal Como Funciona?

A Terapia Tântrica voltada para casais tem um grande potencial resolutivo e promove um salto quântico no relacionamento do casal, geralmente quando chegam aqui, muitos casais já buscaram diversas outras formas de terapia sem um resultado satisfatório.

Dentro da relação de um casal que conhece a Terapia Tântrica verdades vem à tona, pois no Tantra não existe o “tapar o sol com a peneira” e essas verdades ajudam o casal com as tomadas de decisões.

Todo atendimento envolve práticas e técnicas meditativas que fazem aflorar essas verdades que são de dentro para fora, o que está enraizado se apresenta. Com tudo mais claro, o casal tem poder de decisão e o que fazer com toda essa informação emergida.

Muito comum o casal já estar em uma longa busca até chegar na terapia tântrica e de forma relativamente rápida encontrarem respostas e suporte para lidar com as suas questões.

A terapia tântrica pode ser dividida em duas partes, uma individual e a outra casal. E também em sessões e cursos.

O Tantra realiza um processo de autoconhecimento profundo, mostrando ao casal, onde estão e para onde gostariam de ir.

É um caminho de autoconhecimento e expansão da consciência.

Com as meditações, dinâmicas e a massagem tântrica, respostas começam emergir de nosso interior, essa clareza também mostra se amamos verdadeiramente ou não.

Um outro benefício é o aprimoramento da sexualidade, talvez esse seja o principal motivo quando o casal busca o Tantra.

Desenvolver a capacidade sensorial e orgástica aprendendo novas técnicas para gerar prazer e quando necessário curas em algumas disfunções sexuais.

Cada casal tem a sua busca e necessidade, então o processo em si torna-se muito dinâmico e personalizado.

Mas se formos padronizar segue essa sequência.

1. Sessão individual

O atendimento é feito com Meditação Dinâmica, Renascimento e Massagem Tântrica

2. Sessão Casal

O atendimento é feito com Massagem Tântrica e Vivência para casais

3. Curso Casal

No curso é ensinado o Maithuna (sexo tântrico) e a Massagem Tântrica

Zaki


Zaki Deva

É terapeuta instrutor e facilitador de Tantra:

– Curso Tantra para casais
– Curso de Massagem Tântrica
– Formação em Terapia Tântrica

6 benefícios do sexo tântrico

Quando falamos de Tantra tendemos associá-lo tão somente ao sexo devido ao conhecimento popular e ao que ouvimos falar sobre a forma tântrica de se fazer amor.
Mas como sempre falamos, Tantra vai muito além de sexualidade, sendo um conjunto de práticas e comportamentos que promovem e levam à expansão da consciência e a suprema experiência da unidade. Para compreender melhor, experimente as meditações tântricas .

Mas voltando ao ponto e ao tema do título, vamos citar 6 benefícios do sexo tântrico e porquê todo mundo deveria experienciar:

1. Expansão da consciência.

Com a prática de sexo tântrico, o aprofundamento no prazer promovem a ativação da energia kundalini e dos chakras que estão ligados ao processo de despertar e expansão da consciência. A cada prática vamos alcançando patamares mais elevados de consciência. O aprofundamento e o sexo sem orgasmo ou com “orgasmo seco” no caso dos homens, promovem esse acumulo de energia que vitaliza todo o corpo e que pode ser canalizada para transmutações.

2. Confiança e entrega.

Em um “relacionamento padrão” temos dificuldades para sermos verdadeiros, ter confiança e se entregar. Em um “relacionamento tântrico” ele transcende questões de ego tendo base no amor, entrega e confiança. Ao contrário de duas pessoas querendo a parte mais básica do sexo que é satisfação genital, temos dois seres que, sem pressa mergulham em uma experiência com os 5 sentidos, sem julgamentos, é mais um deixar acontecer do que um controle da situação ou performance.

3. prolongamento do tempo.

Talvez esse seja o maior motivo das buscas quando se fala em sexo tântrico, ter um sexo mais longo. Na verdade as práticas podem variar no tempo, no nosso curso de Tantra para Casais temos 7 técnicas sequenciais que no completo somam um total de 3 horas fazendo amor. Tempo esse suficiente para promover todos os benefícios proeminentes das técnicas e naturalmente presentes na energia do orgasmo. Temos picos orgásticos bem antes da conexão da Yoni ao Lingam.

4. Conexão e liberdade.

O sexo tântrico fornece ao casal uma conexão extremamente profunda em um nível nunca experimentado antes, ficamos nus não apenas de nossas roupas mas, nos conectamos de alma para alma, assim desnudos de toda máscaras e jogos, a relação repousa na confiança, criando raízes profundas (conexão) e da mesma forma criando asas (liberdade) em sua individualidade para sermos completos em si mesmos (não confundir com relacionamento aberto) essa liberdade para solitude não tem necessariamente a ver com se relacionar com outras pessoas. Raízes e asas são a conexão e liberdade da natureza do amor incondicional.

5. Verdades ocultas.

O sexo tântrico tem natureza mística e essa conexão com a nossa centelha divina apresenta nossas verdades internas e a do casal, por nos colocar em um estado de expansão de consciência natural da meditação fichas podem cair, respostas podem vir. ao casal praticante de sexo tântrico vem tudo a tona, seja o amor que sintam um pelo o outro, ou questões que precisam ser resolvidas pelo casal, evidenciando essa necessidade e deixando claro o que for necessário naquele momento.

6. Orgasmo múltiplos.

Se não for pelo prolongamento, esse é o maior motivo de procura pelo sexo tântrico: Os orgasmos, no amor tântrico aprendemos a direcionar a energia e a consciência, identificar regiões do corpo, da musculatura e que cada técnica produz.
Há um acumulo de energia orgásticas que são liberadas várias vezes como ondas, um orgasmo na sequência do outro, também experimentamos o orgasmo de vale que nos faz sentir dissolver em um prazer e êxtase contínuo, de corpo inteiro e com todos os 5 sentidos envolvidos.

Zaki

Zaki Deva

É Instrutor de cursos de Tantra:

– Curso Tantra para casais
– Curso de Massagem Tântrica
– Formação em Terapia Tântrica

Tantra pode viciar?

Certa vez recebi a seguinte pergunta:
“Tantra pode viciar? Já que vicio fácil em filme pornô e sexo?”

Gosto de receber excelentes perguntas como essa.

Em primeiro lugar temos que tirar da mente que o Tantra se resume em sexo.

Em segundo lugar mesmo na abordagem tântrica da sexualidade quando praticado ele é totalmente diferente do sexo convencional.

Então compreendemos que em sua natureza são coisas totalmente diferentes.

Mas entendo a questão e vou aproximar o Tantra, abordando apenas sua parte sexual sobre o prazer e o orgasmo.

Da forma que é construída uma experiência tântrica ou o sexo tântrico, por ser uma experiência completa que envolve todo o nosso ser, corpo, energia, alma, amor e consciência. Saímos dela totalmente satisfeitos e, naturalmente Tantra não vicia.

No sexo normal ou masturbação e pornografia, que não temos a satisfação nos níveis emocional, corporal, alma e nem amor, como no Tantra gerando nesse caso, um círculo vicioso.

No Tantra temos toda uma experiência completa e holística, ficamos muito bem com seus efeitos que são duradouros, durante algo em torno de uma semana, que é também a nossa sugestão de prática semanal de Tantra.

Como falado a princípio, vai muito além da parte da sexualidade sendo Tantra como um estilo de vida, nos tornamos tântricos e isso envolve todo o nosso jeito de se viver e relacionar-se com a vida.

Ao aprofundar nesses níveis temos escolhas mais profundas nas relações, tendemos a preferir relacionar-se com pessoas que também tenham um desenvolvimento, a energia e conhecimentos tântricos.

Para iniciar o desenvolvimento tântrico pode-se começar pelo Curso de Massagem Tântrica ou pelo Atendimento Massagem Tântrica, se já tiver um parceiro(a) o Curso de Tantra Para Casais é divino.

Zaki


Zaki Deva

Realiza imersões e atendimentos de Tantra do Caminho do Amor

– Contato

Relacionamentos Digitais

Conforme a tecnologia avança será que o amor esfria? Saiba como manter os relacionamentos saudáveis na era tecnológica.

Há pouco tempo atrás se você quisesse falar com alguém você se deslocava para casa da pessoa e literalmente fazia uma visita… Hoje usamos o celular como extensão do corpo e as visitas nem sempre acontecem, só tocamos uma campainha se for muito necessário e olhe lá.

Para alguns isso pode significar conforto, mas será que realmente substitui a presença física?

Quando por compromissos a distância se apresenta a tecnologia é aliada, mas quando a pessoa está no quarto ao lado e falamos com ela por WhatsApp isso já se torna no mínimo estranho, hoje pode parecer natural, mas seria um absurdo uma década atrás.

O contato físico diminuiu tanto de uns anos para cá, que geralmente mal nos tocamos e desconhecemos nossos vizinhos.

Quem nasce nesse cenário não questiona pois, nunca viu outra realidade possível, mas nós conscientes por experiência, sabemos que não é “humano”.

A tecnologia é uma benção quando usada e não quando somos usados pela tecnologia.

Hoje temos vários aplicativos de paquera e relacionamentos mas nota-se desvios de personalidade sendo comum, pessoas vazias onde as suas únicas “qualidades” estão voltadas para a beleza física e bens materiais.

Em uma análise comportamental, pessoas que perderam a capacidade de se relacionar no mundo real, realmente não tem noção nenhuma de comunicação, relacionamento e comportamento, mas são muito boas em criar perfis, criando uma vida ilusória no meio digital, conseguem, ter até certo ponto uma relação virtual, mas são incapazes de se relacionar no mundo real. São muito exigentes mas têm pouco para oferecer em troca.

Um ser humano emocionalmente saudável é capaz de criar amizades ou conhecer pessoas de forma natural e em quase todos os lugares, na rua, no mercado, em uma fila, no ônibus e sim em festas, baladas e qualquer lugar de convívio comum.

Todos nós precisamos, vez ou outra, realizar terapia para curarmos experiências traumáticas e recuperarmos a capacidade de nos relacionar.

Solidão e Relacionamento

93% da nossa comunicação é não-verbal e no meio digital acabamos por perder muita informação.

Um outro ponto nas relações são que hoje, a quantidade está em alta e a qualidade em baixa. Prefere-se ter vários casos do que se aprofundar em um relacionamento. Então pessoas trocam de pessoas como se trocassem de roupa.

“Sexo casual é o novo modelo de relacionamento.
Uma mensagem, um olhar, algumas palavras e pronto! O sexo ganhou um novo pseudônimo; o aclamado: “foda”.
Então prepare o preservativo que a noite vai ser de prazer.
Mas a preservação não é só por uma gravidez inesperada ou uma DST, também nos preservamos do compromisso, do apego, das cobranças e também do AMOR.
É mais fácil tirar a roupa do que o sorriso. Tocar corpo do que o coração.
Preferimos alguém pra comer em uma noite, a alguém que fique para comer com a gente no café da manhã.
Estamos tão fragilizados com compromisso que matamos o prazer enquanto a carência nos enterra.
Houve um tempo em que as pessoas faziam amor, e eram felizes.
Mas hoje, elas fodem!!!
E talvez por isso exista pouca gente feliz e tanta gente fodida.”
Marcos Bulhões

O problema é que toda vez que por questão de quantidade ou por medo, deixamos de evoluir e crescer dentro de uma relação, coisas que só um relacionamento duradouro pode trazer, continuamos na imaturidade.

Existem linhas tênues entre amor-próprio e egoísmo e entre sustentar uma relação ou aguentar um relacionamento tóxico, por esse entre outros motivos já citados, que a terapia e o autoconhecimento são tão importantes para o indivíduo e para o casal.

Por um outro lado a conexão virtual veio para aliviar em época de pandemia e corona vírus, pessoas podem pelo menos de forma online ver e falar com pessoas que lhe são queridas.

Vemos os aplicativos de relacionamento como uma opção na quarentena. Naturalmente isso não muda a necessidade do contato físico, presencial, o toque na pele, o abraço etc. E nem a descarta termos uma boa habilidade de relacionamentos e comunicação interpessoal.

Uma geração de crianças e adolescentes com dificuldade de viver fora do mundo online, eles já não compreendem muito bem, como nós podíamos viver em uma época sem internet. Esses são a geração Alpha.

Precisamos para manter saúde física, emocional e mental, viver em totalidade, utilizar o corpo das mais variadas formas possíveis, no Tantra e nas meditações tântricas realizamos esse caminho do volta de contato com o corpo, com o mundo real e com o aqui e agora. Elas nos auxiliam a recuperar a capacidade de comunicação pois trabalha muito o chakra da comunicação na região da laringe, nos ajudam desenvolver a confiança e o amor pois também desenvolve o chakra do amor no coração, e quando o amor se expande damos mais abertura para as relações e relacionamentos, ativam o poder pessoal e dá-nos segurança para viver e realizar.

As meditações ativas promovem uma transformação de dentro para fora, vamos para a seara do sentir, as atividades e dinâmicas atuam no lado direito do cérebro, a região do sentir e das emoções, por esse motivo ocorrem tantas transformações em um pequeno espaço de tempo.

Vou compartilhar uma meditação com você que aprofunda a entrega e a confiança nos relacionamentos, chama-se O oceano do outro:

Há milhões de ondas no mar. Você nunca vê mar apenas as ondas, porque são elas que estão na superfície esqueça as ondas elas não existem de fato, somente o oceano.

Sempre que você tiver tempo, olhe nos olhos do amigo, do seu amor ou de qualquer outra pessoa. Não pense apenas olhe cada vez mais fundo dentro dos olhos do outro. Logo perceberá que as ondas se cruzaram e um oceano se abriu para você.

Os olhos são portas. Se você olhar profundamente, as ondas desaparecerão e o oceano se revelará. Experimente fazer isso com uma pessoa.
Olhe profundamente e não se deixe iludir pela superfície, pois a pluralidade pertence a superfície. Há um oceano ao seu redor. Você e seu ego não passam de uma onda. Atrás do ego está oculto o desconhecido.

Parece simples, mas é uma experiência muito intensa. No início algumas pessoas podem ter dificuldades de olhar nos olhos, mas mantenha-se na meditação.

Obrigado por ler até aqui. Para se aprofundar é possível realizar um desenvolvimento pessoal em atendimentos terapêuticos individuais.

 

Casamento, Relacionamento e Sexualidade

Temos hoje uma grande parcela de pessoas que encontram dificuldades para sustentar um relacionamento, seja por questões próprias ou a dificuldade de encontrar alguém alinhado com os seus propósitos de vida. Conviver com alguém não é tarefa fácil, ainda mais em tempos modernos onde relações superficiais tornaram-se mais comuns, seja por medo de se aprofundar ou por relações baseadas em interesses apenas pessoais.
A verdade é que muitos relacionamentos também são baseados em jogos, e a única forma de manter uma relação por um logo período ou por toda a vida, é sendo verdadeiro, com clareza nos objetivos.
Somos parceiros de jornada e evolução, nos ajudamos a evoluir e enxergar nossas próprias facetas ocultas através dos relacionamentos, sendo essa uma forma de autoconhecimento.
Os relacionamentos saudáveis são pautados por o respeito e verdades, sendo benéfico até aonde possamos evoluir, se chegarmos à um ponto, onde não evoluímos mais e, venham a faltar o respeito e a verdade, não faz mais sentido seguir em frente com a relação, sendo melhor deixar ir o que já está acabado.
Um dos jogos mais comuns está a falsa relação monogâmica, a pessoa está em um namoro, noivado ou casamento, onde os parceiros possuem relações extras escondidas, a famosa traição, enquanto algumas pessoas morrem ou matam literalmente, por ciúmes, outras, até “permitem” desde que ela não fique sabendo… Se analisarmos, na verdade, essas pessoas não estão prontas ou não querem uma relação monogâmica e sim uma relação poligâmica, talvez o ser humano seja naturalmente poligâmico, a questão aqui está nas verdades e jogos, não há problema se todos os envolvidos estiverem de acordo, o que não é saudável é se enganar ou enganar os outros.
O casamento é belo, desde que ele seja verdadeiro, duas pessoas que se unem, e vivem, seja na saúde e na doença e até que a morte os separem, entretanto, tem muitos casamentos baseados em contratos de interesses apenas, onde a base deveria ser o amor, amizade e a parceria. O sexo, também é fator importante,  sem ele, e relação torna-se puramente amizade.

Mas qual o caminho para termos uma relação verdadeira e duradoura?

Primeiramente devemos nos conhecer, passar por um processo de autoconhecimento. Ambos parceiros devem cada um realizar esse processo, pois se um vai e o outro fica, naturalmente a relação vai se distanciando.
Nesse processo de autoconhecimento, devemos desenvolver:

 

  • O amor-próprio, saber das coisas que gostamos, como gostamos, a aceitação e a solitude, que é o bem-estar em ficar sozinho sem a sensação de solidão.
  • Conhecer e apoiar o parceiro(a), O amor-próprio não é o mesmo de egocentrismo, temos que ter amor-próprio para poder amar verdadeiramente alguém que escolhemos para seguir conosco nessa jornada da vida, o amor não é posse, ciumes e domínio, e o mesmo que queremos para a gente devemos dar.
  • Compreender a própria sexualidade, conhecer o próprio corpo e zonas erógenas, conhecer e compreender a sexualidade do parceiro(a).
  • Ter uma individualidade segura, sem carência ou dependência afetiva.
  • Liberdade para escolher as coisas que estejam alinhadas com sua personalidade como a carreira profissional por exemplo.

 

Geralmente entramos em relacionamentos padronizados, sempre com o mesmo “problema” onde nos colocamos como vítimas, e não adianta trocar de parceiro ou parceira, até que através de um processo de autoconhecimento, identificamos esse padrões e jogos internos, podendo agora sim mudar e escolher outra pessoa, outro padrão de relacionamento. A verdade é que existem muitas pessoas boas por ai.

Para quem está solteiro o grupo O Caminho do Amor é indicado no processo de autoconhecimento, para quem está em um relacionamento o Ser Amor Para Casais.

 

Zaki

Zaki Deva

É Terapeuta e facilitador de cursos de Tantra:

– Workshop Imersão Ser Amor Para Casais
– Curso Imersão em Massagem Tântrica
– Retiro Caminhos do Amor