A paixão já foi considerada doença

Isso mesmo, em épocas e culturas diferentes, a paixão pode ser vista de formas diferentes.

E não é para menos, você já deve ter ouvido a expressão ou já disse alguma vez: “- Perdi a razão pois estava apaixonado”.

Então isso é muito comum ao nos apaixonarmos, e tomarmos atitudes erradas ou permitirmos certos comportamentos dentro de uma relação que são prejudiciais.

Acontece que ao nos apaixonar recebemos na corrente sanguínea, uma enxurrada de hormônios que alteram nossa percepção da realidade.

Tendemos a enxergar por exemplo, a pessoa por quem nos apaixonamos como perfeita, mesmo sabendo que pessoas perfeitas não existem.
Nos tornamos extremamente corajosos, o que facilita tomadas de atitudes possivelmente perigosas e decisões radicais.

A Feniletilamina também conhecida como “hormônio da paixão”, é um neurotransmissor ela faz induzir a produção de substâncias como noradrenalina e dopamina, extremamente importantes para a sensação de bem-estar e felicidade. A dopamina ela dá disposição, aumenta o prazer e faz a pessoa perder a noção do perigo.

Se não correspondido, a pessoa pode perder a fome, o sono, ficar deprimido e sem ânimo para nada.
Existem pessoas que são viciadas na paixão então, quando os efeitos começam diminuir ela tende terminar o relacionamento e sair em busca de uma nova paixão. Esse período de paixão pode durar entre 6 meses à 2 anos.

Geralmente, nos apaixonamos pelas pessoas que correspondem a um conjunto de expectativas que formamos ao longo da vida e já falamos aqui que um dos maiores ensinamentos do tantra é, não criar expectativas.

Romantizamos demais paixão, de fato as sensações são muito boas no curto prazo, mas no longo prazo já sabemos como pode terminar.

Zaki


Zaki Deva

É terapeuta instrutor e facilitador de Tantra:

– Curso Tantra para casais
– Curso de Massagem Tântrica
– Massagem Tântrica

Como elevar a vibração, produzir energia e equilibrar os sentimentos

Sabemos que tudo no universo é energia. Entretanto existem pessoas céticas que não acreditam em energia até conseguirem senti-la pela primeira vez. A questão aqui é sobre padrões emocionais, como mudá-los de acordo com o que queremos vibrar.

Para nós, a identificação de frequência é o sentimento e emoção para facilitar observe o gráfico abaixo:

Geralmente oscilamos entre esses estados, mas o importante é saber e, se conhecer, para à partir daí optar por mudar a frequência se esse for o desejo pois, uma frequência atrai mais da mesma frequência.

3 formas rápidas de elevar a vibração

Digamos que você notou que sua vibração baixou, mas não sabe o que fazer e quer elevá-la, vou citar 3 formas eficazes e fáceis.

1. Coloque uma música que você goste, ou que a sua melodia e letra sejam boas.

Além dos efeitos que todos já conhecemos da música nas nossas emoções, existe uma experiência científica feita pelo japonês Masaru Emoto que, demonstra o que o som é capaz de fazer com cristais de água exemplificando a influência desse som no meio em que atua, sabemos também que nosso corpo é composto em sua maioria por água.

2. Gargalhe, mesmo que seja de forma falsa, force a risada por um momento, acontece que essa gargalhada muda o padrão vibratório e uma gargalhada genuína começará tomar conta.
Existe a meditação do riso que fazemos no Retiro Tântrico Caminho do Coração e no Satori Encontro Tântrico o Despertar

Sorria, emane um sorriso não apenas com a boca, mas com todo o seu ser, principalmente no Hara (região do abdômen).

3. Movimente o corpo com uma dança. Pode ser uma dança livre e espontânea, ou uma dança de sua preferência, se tiver movimentos de quadril melhor, pois essa região esta ligada a produção de hormônios que promovem “felicidade”, também ativa a Kundalini que promove prazer.

Zaki



Zaki Deva

É terapeuta instrutor e facilitador de Tantra:

– Curso Tantra para casais
– Curso de Massagem Tântrica
– Formação em Terapia Tântrica