A paixão já foi considerada doença

Isso mesmo, em épocas e culturas diferentes, a paixão pode ser vista de formas diferentes.

E não é para menos, você já deve ter ouvido a expressão ou já disse alguma vez: “- Perdi a razão pois estava apaixonado”.

Então isso é muito comum ao nos apaixonarmos, e tomarmos atitudes erradas ou permitirmos certos comportamentos dentro de uma relação que são prejudiciais.

Acontece que ao nos apaixonar recebemos na corrente sanguínea, uma enxurrada de hormônios que alteram nossa percepção da realidade.

Tendemos a enxergar por exemplo, a pessoa por quem nos apaixonamos como perfeita, mesmo sabendo que pessoas perfeitas não existem.
Nos tornamos extremamente corajosos, o que facilita tomadas de atitudes possivelmente perigosas e decisões radicais.

A Feniletilamina também conhecida como “hormônio da paixão”, é um neurotransmissor ela faz induzir a produção de substâncias como noradrenalina e dopamina, extremamente importantes para a sensação de bem-estar e felicidade. A dopamina ela dá disposição, aumenta o prazer e faz a pessoa perder a noção do perigo.

Se não correspondido, a pessoa pode perder a fome, o sono, ficar deprimido e sem ânimo para nada.
Existem pessoas que são viciadas na paixão então, quando os efeitos começam diminuir ela tende terminar o relacionamento e sair em busca de uma nova paixão. Esse período de paixão pode durar entre 6 meses à 2 anos.

Geralmente, nos apaixonamos pelas pessoas que correspondem a um conjunto de expectativas que formamos ao longo da vida e já falamos aqui que um dos maiores ensinamentos do tantra é, não criar expectativas.

Romantizamos demais paixão, de fato as sensações são muito boas no curto prazo, mas no longo prazo já sabemos como pode terminar.

Zaki


Zaki Deva

É terapeuta instrutor e facilitador de Tantra:

– Curso Tantra para casais
– Curso de Massagem Tântrica
– Massagem Tântrica