Relacionamentos Digitais

Conforme a tecnologia avança será que o amor esfria? Saiba como manter os relacionamentos saudáveis na era tecnológica.

Há pouco tempo atrás se você quisesse falar com alguém você se deslocava para casa da pessoa e literalmente fazia uma visita… Hoje usamos o celular como extensão do corpo e as visitas nem sempre acontecem, só tocamos uma campainha se for muito necessário e olhe lá.

Para alguns isso pode significar conforto, mas será que realmente substitui a presença física?

Quando por compromissos a distância se apresenta a tecnologia é aliada, mas quando a pessoa está no quarto ao lado e falamos com ela por WhatsApp isso já se torna no mínimo estranho, hoje pode parecer natural, mas seria um absurdo uma década atrás.

O contato físico diminuiu tanto de uns anos para cá, que geralmente mal nos tocamos e desconhecemos nossos vizinhos.

Quem nasce nesse cenário não questiona pois, nunca viu outra realidade possível, mas nós conscientes por experiência, sabemos que não é “humano”.

A tecnologia é uma benção quando usada e não quando somos usados pela tecnologia.

Hoje temos vários aplicativos de paquera e relacionamentos mas nota-se desvios de personalidade sendo comum, pessoas vazias onde as suas únicas “qualidades” estão voltadas para a beleza física e bens materiais.

Em uma análise comportamental, pessoas que perderam a capacidade de se relacionar no mundo real, realmente não tem noção nenhuma de comunicação, relacionamento e comportamento, mas são muito boas em criar perfis, criando uma vida ilusória no meio digital, conseguem, ter até certo ponto uma relação virtual, mas são incapazes de se relacionar no mundo real. São muito exigentes mas têm pouco para oferecer em troca.

Um ser humano emocionalmente saudável é capaz de criar amizades ou conhecer pessoas de forma natural e em quase todos os lugares, na rua, no mercado, em uma fila, no ônibus e sim em festas, baladas e qualquer lugar de convívio comum.

Todos nós precisamos, vez ou outra, realizar terapia para curarmos experiências traumáticas e recuperarmos a capacidade de nos relacionar.

Solidão e Relacionamento

93% da nossa comunicação é não-verbal e no meio digital acabamos por perder muita informação.

Um outro ponto nas relações são que hoje, a quantidade está em alta e a qualidade em baixa. Prefere-se ter vários casos do que se aprofundar em um relacionamento. Então pessoas trocam de pessoas como se trocassem de roupa.

“Sexo casual é o novo modelo de relacionamento.
Uma mensagem, um olhar, algumas palavras e pronto! O sexo ganhou um novo pseudônimo; o aclamado: “foda”.
Então prepare o preservativo que a noite vai ser de prazer.
Mas a preservação não é só por uma gravidez inesperada ou uma DST, também nos preservamos do compromisso, do apego, das cobranças e também do AMOR.
É mais fácil tirar a roupa do que o sorriso. Tocar corpo do que o coração.
Preferimos alguém pra comer em uma noite, a alguém que fique para comer com a gente no café da manhã.
Estamos tão fragilizados com compromisso que matamos o prazer enquanto a carência nos enterra.
Houve um tempo em que as pessoas faziam amor, e eram felizes.
Mas hoje, elas fodem!!!
E talvez por isso exista pouca gente feliz e tanta gente fodida.”
Marcos Bulhões

O problema é que toda vez que por questão de quantidade ou por medo, deixamos de evoluir e crescer dentro de uma relação, coisas que só um relacionamento duradouro pode trazer, continuamos na imaturidade.

Existem linhas tênues entre amor-próprio e egoísmo e entre sustentar uma relação ou aguentar um relacionamento tóxico, por esse entre outros motivos já citados, que a terapia e o autoconhecimento são tão importantes para o indivíduo e para o casal.

Por um outro lado a conexão virtual veio para aliviar em época de pandemia e corona vírus, pessoas podem pelo menos de forma online ver e falar com pessoas que lhe são queridas.

Vemos os aplicativos de relacionamento como uma opção na quarentena. Naturalmente isso não muda a necessidade do contato físico, presencial, o toque na pele, o abraço etc. E nem a descarta termos uma boa habilidade de relacionamentos e comunicação interpessoal.

Uma geração de crianças e adolescentes com dificuldade de viver fora do mundo online, eles já não compreendem muito bem, como nós podíamos viver em uma época sem internet. Esses são a geração Alpha.

Precisamos para manter saúde física, emocional e mental, viver em totalidade, utilizar o corpo das mais variadas formas possíveis, no Tantra e nas meditações tântricas realizamos esse caminho do volta de contato com o corpo, com o mundo real e com o aqui e agora. Elas nos auxiliam a recuperar a capacidade de comunicação pois trabalha muito o chakra da comunicação na região da laringe, nos ajudam desenvolver a confiança e o amor pois também desenvolve o chakra do amor no coração, e quando o amor se expande damos mais abertura para as relações e relacionamentos, ativam o poder pessoal e dá-nos segurança para viver e realizar.

As meditações ativas promovem uma transformação de dentro para fora, vamos para a seara do sentir, as atividades e dinâmicas atuam no lado direito do cérebro, a região do sentir e das emoções, por esse motivo ocorrem tantas transformações em um pequeno espaço de tempo.

Vou compartilhar uma meditação com você que aprofunda a entrega e a confiança nos relacionamentos, chama-se O oceano do outro:

Há milhões de ondas no mar. Você nunca vê mar apenas as ondas, porque são elas que estão na superfície esqueça as ondas elas não existem de fato, somente o oceano.

Sempre que você tiver tempo, olhe nos olhos do amigo, do seu amor ou de qualquer outra pessoa. Não pense apenas olhe cada vez mais fundo dentro dos olhos do outro. Logo perceberá que as ondas se cruzaram e um oceano se abriu para você.

Os olhos são portas. Se você olhar profundamente, as ondas desaparecerão e o oceano se revelará. Experimente fazer isso com uma pessoa.
Olhe profundamente e não se deixe iludir pela superfície, pois a pluralidade pertence a superfície. Há um oceano ao seu redor. Você e seu ego não passam de uma onda. Atrás do ego está oculto o desconhecido.

Parece simples, mas é uma experiência muito intensa. No início algumas pessoas podem ter dificuldades de olhar nos olhos, mas mantenha-se na meditação.

Obrigado por ler até aqui. Para se aprofundar é possível realizar um desenvolvimento pessoal em atendimentos terapêuticos individuais.

 

Casamento, Relacionamento e Sexualidade

Temos hoje uma grande parcela de pessoas que encontram dificuldades para sustentar um relacionamento, seja por questões próprias ou a dificuldade de encontrar alguém alinhado com os seus propósitos de vida. Conviver com alguém não é tarefa fácil, ainda mais em tempos modernos onde relações superficiais tornaram-se mais comuns, seja por medo de se aprofundar ou por relações baseadas em interesses apenas pessoais.
A verdade é que muitos relacionamentos também são baseados em jogos, e a única forma de manter uma relação por um logo período ou por toda a vida, é sendo verdadeiro, com clareza nos objetivos.
Somos parceiros de jornada e evolução, nos ajudamos a evoluir e enxergar nossas próprias facetas ocultas através dos relacionamentos, sendo essa uma forma de autoconhecimento.
Os relacionamentos saudáveis são pautados por o respeito e verdades, sendo benéfico até aonde possamos evoluir, se chegarmos à um ponto, onde não evoluímos mais e, venham a faltar o respeito e a verdade, não faz mais sentido seguir em frente com a relação, sendo melhor deixar ir o que já está acabado.
Um dos jogos mais comuns está a falsa relação monogâmica, a pessoa está em um namoro, noivado ou casamento, onde os parceiros possuem relações extras escondidas, a famosa traição, enquanto algumas pessoas morrem ou matam literalmente, por ciúmes, outras, até “permitem” desde que ela não fique sabendo… Se analisarmos, na verdade, essas pessoas não estão prontas ou não querem uma relação monogâmica e sim uma relação poligâmica, talvez o ser humano seja naturalmente poligâmico, a questão aqui está nas verdades e jogos, não há problema se todos os envolvidos estiverem de acordo, o que não é saudável é se enganar ou enganar os outros.
O casamento é belo, desde que ele seja verdadeiro, duas pessoas que se unem, e vivem, seja na saúde e na doença e até que a morte os separem, entretanto, tem muitos casamentos baseados em contratos de interesses apenas, onde a base deveria ser o amor, amizade e a parceria. O sexo, também é fator importante,  sem ele, e relação torna-se puramente amizade.

Mas qual o caminho para termos uma relação verdadeira e duradoura?

Primeiramente devemos nos conhecer, passar por um processo de autoconhecimento. Ambos parceiros devem cada um realizar esse processo, pois se um vai e o outro fica, naturalmente a relação vai se distanciando.
Nesse processo de autoconhecimento, devemos desenvolver:

 

  • O amor-próprio, saber das coisas que gostamos, como gostamos, a aceitação e a solitude, que é o bem-estar em ficar sozinho sem a sensação de solidão.
  • Conhecer e apoiar o parceiro(a), O amor-próprio não é o mesmo de egocentrismo, temos que ter amor-próprio para poder amar verdadeiramente alguém que escolhemos para seguir conosco nessa jornada da vida, o amor não é posse, ciumes e domínio, e o mesmo que queremos para a gente devemos dar.
  • Compreender a própria sexualidade, conhecer o próprio corpo e zonas erógenas, conhecer e compreender a sexualidade do parceiro(a).
  • Ter uma individualidade segura, sem carência ou dependência afetiva.
  • Liberdade para escolher as coisas que estejam alinhadas com sua personalidade como a carreira profissional por exemplo.

 

Geralmente entramos em relacionamentos padronizados, sempre com o mesmo “problema” onde nos colocamos como vítimas, e não adianta trocar de parceiro ou parceira, até que através de um processo de autoconhecimento, identificamos esse padrões e jogos internos, podendo agora sim mudar e escolher outra pessoa, outro padrão de relacionamento. A verdade é que existem muitas pessoas boas por ai.

Para quem está solteiro o grupo O Caminho do Amor é indicado no processo de autoconhecimento, para quem está em um relacionamento o Ser Amor Para Casais.

 

Zaki

Zaki Deva

É Terapeuta e facilitador de cursos de Tantra:

– Workshop Imersão Ser Amor Para Casais
– Curso Imersão em Massagem Tântrica
– Retiro Caminhos do Amor

Vizinho do Lado

Casas tão juntinhas
Mundos separados
Não conheço meu vizinho da frente
Muito menos o que mora ao lado

Se precisar não sei o nome
Nem como devo chamá-lo
Perguntou quem era eu
Aquele dia no mercado

Na era da internet
E dos planos ilimitados
Parece a maior era
Dos humanos desconectados

Ainda podemos fazer diferente
Até melhor que no passado
Mas essa é a realidade
De quem mora em São Paulo

predios.jpeg

O que é Tantra?

Enjoyment - free happy woman enjoying sunset

 

Tantra é uma filosofia comportamental e não-verbal. Uma experiência que nos reconecta com a existência e tudo que nela há. É como uma “reintegração existencial”. Algo que só se compreende na prática, pois as palavras se tornam limitadas para expressar uma experiência tântrica. Tradicionalmente é passado de mestre à discípulo. Associam-se o Tantra à antiga Índia ou ao Hinduísmo por registros históricos de comunidades e praticantes dessa região, mas o Tantra transcende localização geográfica sendo algo humano em sua natureza primária de amor.

Celebração, Meditação, Gratidão e Êxtase são estados de consciência de características tântrica assim como a energia feminina e suas manifestações de aceitação, acolhimento e entrega.

Tantra é a forma mais original de se ter um encontro com o Divino, a forma mais primal, você volta a sentir-se parte da natureza, eliminando a ilusão da dualidade e onde tudo e todos somos um. É também a forma mais prazerosa de realizar esse reencontro divino.

Como o Tantra é inclusivo, ele não exclui nada, tendo também uma abordagem para a sexualidade. Mas é importante saber que o Tantra não é sexo. Assim como o Yoga não é tão somente uma ginástica corporal, erroneamente conhecido no ocidente, mas uma prática que leva a Unidade e a estados elevados de consciência.

O Tantra não é uma experiência somente sexual como muitos pensam, nem uma forma miraculosa de se fazer sexo. E sim um estilo de vida baseado no amor, aceitação, presença e comunidade. Uma prática profunda de autoconhecimento e desenvolvimento humano.

Mestre

Tantra é um caminho para a iluminação sendo esse o seu objetivo supremo.
O Mestre Iluminado é aquele que alcançou o perfeito equilíbrio entre as suas energias, sua natureza interior está em harmonia com a natureza exterior, com a natureza Divina.
Suas experiências o levaram a um ponto de equilíbrio, a um êxtase silencioso.
Em uma experiência de Orgasmo Tântrico você tem um vislumbre dessa iluminação. Que pode acontecer através de meditações, massagem tântrica e o sexo tântrico por exemplo.
O iluminado tem dentro de si a fusão das duas energias Shiva e Shakti e elas já não competem entre si.
Ele já não é homem e nem mulher mas as duas energias em perfeita harmonia.
Essas energias, masculina e feminina em harmonia dentro de si, as suas funções se completam despertando um Shiva (sagrado masculino) ou uma Shakti (sagrado feminino).

No sexo tântrico tudo é importante, desde o olhar até a penetração, existe um longo caminho de prazer, descobertas, exploração dos 5 sentidos e experiências de múltiplos orgasmos. É uma conexão e entrega total, sem máscaras, jogos, papéis sociais ou julgamentos. Apenas uma parceria e a entrega de um para outro uma pura e amorosa parceria.
E quando nos dissolvemos nessa experiência, um no outro em uma experiência de orgasmo e amor, no Tantra chamamos isso de Unio Mystica. É uma experiência de êxtase onde não há tempo e nem espaço e sua essência Divina aparece!
Sendo esse um processo de desenvolvimento em experiências gradativas.

O tântrico tem uma visão diferente no relacionamento, ele cria raízes para poder ir nas profundezas do Ser, lá no fundo da alma. Mas também cria asas para poder estar livre de qualquer jogo de domínio e poder.

O tântrico está em harmonia com os mistérios da vida ele confia nessa dança de energias e manifestações, no dinamismo da existência.
Para ele tudo é sagrado. Se reconecta e se lembra que faz parte de um todo. Confia.
E essa transformação acontece de dentro para fora.

O tântrico vive uma entrega e escuta essa voz que vem de dentro.
Seguir o coração é preciso coragem, porque o coração não conhece a expressão “quebrar a cara”, para o coração nunca se perde, pois também não se tem o que ganhar, para o coração está tudo sempre certo, a sabedoria do coração sempre confia e diz para você ir em frente.

Para fazer o curso acesse:
Curso Online de Sexualidade e Massagem Tântrica

Para realizar sessão clique:
Tantra Clínico

Feromônios fonte de prazer e informações

Cheiro

O cheiro das pessoas na verdade tem muito mais informação do que superficialmente parece.
Todos seres humanos tem um odor característico e nesse aroma existem substâncias biologicamente muito ativas e que carregam um conjunto de informações que são transmitidas são os chamados feromônios, informações essas usadas principalmente na comunicação sexual subconsciente.
Os feromônios podem comunicar por exemplo se determinada pessoa fornece os genes adequados ou melhores para se unir aos seus genes que gerará uma nova vida com a melhor qualidade possível.
A atração também será muito forte havendo essa melhor compatibilidade de informações, uma combinação mais completa para gerar um novo ser.
Os feromônios também demarcam território no mundo animal, além de transmitir outras informações para os indivíduos da mesma espécie.
Neurocientistas defendem que seres humanos também se têm seu comportamento influenciado pela presença de feromônios, o interesse de um homem por uma determinada mulher em meio a muitas outras, a alteração do ciclo menstrual de mulheres quando convivem por muito tempo (forma de competição de fêmeas pelo macho, uma vez que, durante algumas etapas do ciclo menstrual, a mulher desperta no homem maior interesse) são exemplos de comportamentos influenciados por feromônios.

O suor e sua interação com os hormônios faz com que homens e mulheres tenham cheiros diferentes, mas a questão – que encerra uma das chaves da atração sexual – envolve uma química mais complexa. O cheiro masculino, por exemplo, é mais intenso devido aos homens terem mais pelos, que estimulam tanto a produção de suor quanto de odor. Já o aroma feminino característico concentra-se na região genital, por causa da sua lubrificação constante e do fato de o interior da vagina ser mais ácido, para proteger a mucosa. Além disso, existe grande concentração de glândulas sudoríparas na virilha e na vulva. O papel principal nessa história toda é justamente dessas glândulas produtoras do suor. Existem dois tipos: écrinas e apócrinas. As primeiras soltam um líquido que serve apenas para resfriar o corpo. Já as apócrinas liberam uma secreção leitosa, que é a verdadeira responsável pelos cheiros do corpo humano.

 

“Essa secreção, que tem a função de manter a pele hidratada e contém gordura, é um alimento rico para as bactérias, que se aproveitam do calor e da umidade de certas regiões do corpo para proliferar, causando cheiros fortes”, afirma o dermatologista Luís Antônio Torezan, de São Paulo. O odor feminino também é atribuído aos chamados ácidos alifáticos, substâncias gordurosas presentes no suor e na secreção vaginal. Estudos comprovaram que esses ácidos são uma forte isca sexual entre os primatas. Um exemplo divertido é a famosa carta de Napoleão Bonaparte à sua amada Josephine, avisando que chegaria do campo de batalha em poucos dias e pedindo para ela parar de se banhar, para deixar bem concentrado seu aroma natural. Mas o mais incrível nesse setor da bioquímica erótica são os feromônios, hormônios que produzem aromas que não são percebidos conscientemente, mas que, no mundo animal, regulam a atração que leva ao acasalamento.

 

Entre os humanos, fatores sociais e culturais pesam mais que os feromônios, mas eles não deixam de ter efeitos curiosos: mulheres que dormem ao lado de um homem tendem a menstruar e ovular mais regularmente; ao mesmo tempo em que, neste homem, a barba cresce mais rápido.
A palavra feromônio vem grego Phero/Hormona, que quer dizer Transmitir/Excitar.
Durante a relação sexual podemos utilizar o benefício dessa capacidade olfativa de captar e assimilar melhor os feromônios e as sensações de prazer desencadeadas por eles quando chegam ao nosso cérebro, existem técnicas que permitem e promovem experiências de expansão da consciência e de muito prazer próximo ao orgasmo, técnicas essas que são ensinadas com um conjunto de outras técnicas de sensibilização dos sentidos como o olfato no curso de Tantra para casais.

Fontes: Bioquímica, hormônios. Info escola.
O que faz homens e mulheres terem cheiros diferentes. Super Interessante (07/2002).

 

Zaki
Zaki deva (Robson)

Terapeuta instrutor de cursos de Tantra para casais e retiros de meditação e dançaterapia.

Autoconhecimento através do tantra

Primeiro: conhecer a si mesmo é a coisa mais difícil. Não deveria ser assim. Deveria ser exatamente o oposto – a coisa mais simples. Mas não é – por muitas razões. Tornou-se tão complicado, pois você investiu tanto na auto-ignorância que parece quase impossível retornar, voltar a fonte, encontrar a si mesmo.
Toda a sua vida, tal como ela é, como é aprovada pela sociedade, pelo Estado, pela Igreja, está baseada na auto-ignorância. Você vive sem se conhecer porque a sociedade não quer que você se conheça. É perigoso para sociedade. Um homem que conhece a si mesmo está destinado a ser rebelde. O conhecimento é a maior das rebeldias – quer dizer, o autoconhecimento, não o conhecimento acumulado através de escrituras, não o conhecimento encontrado nas universidades, mas o conhecimento que acontece quando você encontra o seu próprio ser, quando você chega a si mesmo na sua nudez total; quando você se vê como Deus o vê, não como a sociedade gostaria de vê-lo; quando você vê o seu ser natural, no seu florescimento total e selvagem – não o fenômeno civilizado, condicionado, educado, polido.
A sociedade está interessada em fazer de você um robô, não um revolucionário, porque o robô é mais útil. É fácil dominar um robô; é quase impossível dominar um homem de autoconhecimento. Como se pode dominar um Jesus? Como se pode dominar um Buda ou um Heráclito? Ele não cederá, não obedecerá ordens. Ele se moverá através de seu próprio ser. Será como o vento, como as nuvens; ele se moverá como os rios. Será selvagem – naturalmente belo, natural, mas perigoso para a falsa sociedade. Ele não se ajustará. A menos que criemos no mundo uma sociedade natural, um Buda continuará sendo sempre um desajustado, um Jesus será certamente crucificado.


Osho

Sem título-2

O autoconhecimento através do Tantra

A terapia do prazer e das meditações.


Algumas pessoas já deram o primeiro passo no processo de autoconhecimento,
e esse trabalho com o tantra sempre permanece e continua do ponto onde paramos, sabemos que o destino do ser humano é a integração existencial com o Divino, através do Amor.
O processo de se amar, de se conhecer na sua maior pureza é o início dessa jornada.

O terapeuta tântrico tem formas e ferramentas para ajudar nesse processo:

– Sessão Presencial

– Encontro de Meditação

– Curso de massagem tântrica

A terapia do prazer no desenvolvimento humano e no autoconhecimento!

 

Sem título-1

Nirvana

O “natural” ao ser humano é ser celebrativo, festivo.
Mas nós nos tornamos tão sérios com relação à vida que nos esquecemos de celebrar.
celebrar-a-vidaAo observa uma criança por exemplo, ela passa o dia em constante festividade, se algo a aborrece, logo logo ela volta a brincar.
Na idade adulta é muito fácil se desviar da própria originalidade divina, corrompidos pelo meio social em que nascemos e cair em uma fria seriedade.
Celebrar é estar bem consigo é gostar da vida, interagir agradavelmente com o ambiente e com as pessoas.
É Permitir que a criatividade interna aflore e tome forma criando e também gostando de criar a própria realidade.
Na verdade celebrar é deleitar-se com a vida, com tudo que ela pode proporcionar e com o que você pode proporcionar a ela.
A seriedade é útil mas não é a nossa essência, tudo na natureza celebra, dança, portanto, deleite-se, torne-se um ser celebrativo esta é sua essência.